Cloé: as cidades e as trocas

as cidades invisíveis, italo calvino

“As cidades e as trocas 2” é um dos textos que compõem a obra As cidades invisíveis, de Italo Calvino. No livro, em que Marco Polo descreve a Kublai Khan as cidades de seu império, a cidade deixa de ser um conceito geográfico para se tornar o símbolo complexo e inesgotável da experiência humana.

Este vídeo é uma extensão do projeto de leituras de obras literárias com desenho sonoro do canal Vigília. Conheça o Labirinto.

cloé // as cidades e as trocas 2

Em Cloé, cidade grande, as pessoas que passam pelas ruas não se reconhecem. Quando se vêem, imaginam mil coisas a respeito umas das outras, os encontros que poderiam ocorrer entre elas, as conversas, as surpresas, as carícias, as mordidas. Mas ninguém se cumprimenta, os olhares se cruzam por um segundo e depois se desviam, procuram outros olhares, não se fixam.
Passa uma moça balançando uma sombrinha apoiada no ombro, e um pouco das ancas, também. Passa uma mulher vestida de preto que demonstra toda sua idade, com os olhos inquietos debaixo do véu e os lábios tremulantes. Passa um gigante tatuado, um homem jovem com cabelos brancos; uma anã, duas gêmeas vestidas de coral. Corre alguma coisa entre eles, uma troca de olhares como se fossem linhas que ligam uma figura à outra e desenham flechas, estrelas, triângulos, até esgotar num instante todas as combinações possíveis, e outras personagens entram em cena: um cego com um guepardo na coleira, uma cortesã com um leque de penas de avestruz, um efebo, uma mulher canhão. Assim, entre aqueles que por acaso procuram abrigo da chuva sob o pórtico, ou se aglomeram sob uma tenda do bazar, ou param para ouvir a banda na praça, consumam-se encontros, seduções, abraços, orgias, sem que se troque uma palavra, sem que se toque um dedo, quase sem levantar os olhos.
Existe uma contínua vibração luxuriosa em Cloé, a mais casta das cidades. Se os homens e as mulheres começassem a viver os seus sonhos efêmeros, todos os fantasmas se tornariam reais e começaria uma história de perseguições, de ficções, de desentendimentos, de choques, de opressões, e o carrossel das fantasias teria fim.

cloé: as cidades e as trocas
as cidades invisíveis, italo calvino
30 maio 2019 (3min 47seg)

texto  italo calvino
tradução  diogo mainardi
editora  companhia das letras
voz e edição  luan maitan
música  “1995”, ólafur arnalds
index  italo calvino, ólafur arnalds
palavras-chave trocas, as cidades invisíveis

// posts relacionados