“As cidades e os símbolos 5” é um dos textos que compõem a obra As cidades invisíveis, de Italo Calvino. No livro, em que Marco Polo descreve a Kublai Khan as cidades de seu império, a cidade deixa de ser um conceito geográfico para se tornar o símbolo complexo e inesgotável da experiência humana.

Este vídeo é uma extensão do projeto de leituras de obras literárias com desenho sonoro do canal Vigília. Conheça o Labirinto.

olívia // as cidades e os símbolos 5

Você sabe melhor do que ninguém, sábio Kublai, que jamais se deve confundir uma cidade com o discurso que a descreve. Contudo, existe uma ligação entre eles. Se descrevo Olívia, cidade rica de mercadorias e de lucros, o único modo de representar a sua prosperidade é falar dos palácios de filigranas com almofadas franjadas nos parapeitos dos bífores, uma girândola d’água num pátio protegido por uma grade rega o gramado em que um pavão branco abre a cauda em leque. Mas, a partir desse discurso, é fácil compreender que Olívia é envolta por uma nuvem de fuligem e gordura que gruda na parede das casas; que, na aglomeração das ruas, os guinchos manobram comprimindo os pedestres contra os muros. Se devo descrever a operosidade dos habitantes, falo das selarias com cheiro de couro, das mulheres que tagarelam enquanto entrelaçam tapetes de ráfia, dos canais suspensos cujas cascatas movem as pás dos moinhos: mas a imagem que essas palavras evocam na sua iluminada consciência é o movimento que leva o mandril até os dentes da engrenagem repetido por milhares de mãos milhares de vezes nos tempos previstos para cada turno. Se devo explicar como o espírito de Olívia tende para uma vida livre e um alto grau de civilização, falarei da mulheres que navegam de noite cantando em canoas iluminadas entre as margens de um estuário verde; mas isso serve apenas para recordar que, nos subúrbios em que homens e mulheres desembarcam todas as noites como fileiras de sonâmbulos , sempre existe quem começa a gargalhar na escuridão, dá vazão às piadas e aos sarcasmos.
Pode ser que isto você não saiba: que para falar de Olívia eu não poderia fazer outro discurso. Se de fato existisse uma Olívia de bífores e pavões, de seleiros e tecelãs de tapetes e canoas e estuários, seria um mero buraco negro de moscas, e para descrevê-la eu teria de utilizar as metáforas da fuligem, dos chiados de rodas, dos movimentos repetidos, dos sarcasmos. A mentira não está no discurso, mas nas coisas.

olívia: as cidades e os símbolos 5
as cidades invisíveis, italo calvino
12 abril 2019 (3min 48seg)

texto  italo calvino
tradução  diogo mainardi
editora  companhia das letras
voz e edição  luan maitan
música  –
index  italo calvino
palavras-chave símbolos, as cidades invisíveis